terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

qualquer coisa que doesse, qualquer coisa lancinante


Um desejo de que você sofresse muito, porque era assim, essa ação estendendo-se no tempo. E naquele momento eu seria capaz de qualquer coisa, qualquer coisa que doesse, qualquer coisa lancinante. Eu seria capaz das coisas mais espantosas.”   

(Carola Saavedra in: Flores Azuis. Ed. Companhia das Letras, p.47)

8 comentários:

  1. Como exclamou Artaud, há muitos estados de ser na mente humana...

    ResponderExcluir
  2. e a dor tem seus encantos?...
    beijo..

    ResponderExcluir
  3. Sadismo ou vingaça? Quem o sabe...

    P.S.: Esse da foto é o Bowie?

    ResponderExcluir
  4. Vanessa , li este livro e gostei muito, apesar de ter sofrido junto com a personagem.bjs

    ResponderExcluir
  5. Coragem é tudo... ou quase tudo, não?! :)

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now