quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O espectador está em busca de uma experiência viva, pois o cinema, como nenhuma outra arte, amplia

Acredito que o que leva normalmente as pessoas ao cinema é o tempo: o tempo perdido, consumido ou ainda não encontrado. O espectador está em busca de uma experiência viva, pois o cinema, como nenhuma outra arte, amplia, enriquece e concentra a experiência de uma pessoa – e não apenas a enriquece, mas a torna mais longa, significativamente mais longa.”

(Andrei Tarkovski, diretor de cinema russo)

11 comentários:

  1. Ganhamos várias vidas em poucas horas. Isto se o filme for bom, claro.

    ResponderExcluir
  2. a telona nos envolve como nada mais..
    beijos.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo!!

    E se tiver de mãos dadas, melhor ainda...

    ;-)

    ResponderExcluir
  4. Mais pura verdade.
    Mesmo na onda de pirataria alimentada depois da internet, eu nunca me permiti perder o hábito delicioso de sentar na sala escura e assistir a homens brincando de deuses, criando mundos.

    ResponderExcluir
  5. A relação com o cinema e a interação com o filme se traduz para mim na criação de Woody Allen e em sua personagem Cecília (Mia Farrow) em A rosa púrpura do Cairo que vive um romance com um personagem que sai da tela do cinema. É portanto se entregar a possibilidade de viver intensamente uma outra vida... num breve espaço de tempo da duração de uma película.

    ResponderExcluir
  6. Eu adooooro cinema! Quando as histórias são perfeitamente românticas eu fico imaginando: queria que isso acontecesse comigo! kkkk

    ResponderExcluir
  7. Tudo cabe como extensão de quem somos, a nos reconhecermos, seja na tela, seja no canto, seja na sombra ou no sol, seja no outro, a expressarmos, seja aqui ou acolá, nossas criações e escolhas inventadas, de nós mesmos.

    ResponderExcluir
  8. Um recorte dentro do qual amplia-se as dimensões da vida.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now