quarta-feira, 2 de março de 2011

só se encontra a reivindicação hedonista entre os marginais, Sade, Fourier

"Tradição antiga, muito antiga: o hedonismo foi repelido por quase todas as filosofias; só se encontra a reivindicação hedonista entre os marginais, Sade, Fourier; para a próprio Nietzshe, o hedonismo é um pessimismo. O prazer é incessantemente enganado, reduzido, desinflado, em proveito de valores fortes, nobres: a Verdade, a Morte, o Progresso, a Luta, a Alegria etc. Seu rival vitorioso é o Desejo: falam-nos sem cessar do Desejo, nunca do Prazer; o Desejo teria uma dignidade epistêmica, o Prazer não. Dir-se-ia que a sociedade (a nossa) recusa (e acaba por ignorar) de tal modo a fruição, que só pode produzir epistemologias da Lei (e de sua contestação), mas jamais de sua ausência, ou melhor ainda: de sua nulidade. É curiosa essa permanência filosófica de Desejo (enquanto nunca é satisfeito): essa palavra não denotaria uma "ideia de classe"? (Presunção de prova bastante grosseira, e toda notável: o "popular" não conhece o Desejo - nada exceto prazeres.)"

(Roland Barthes in: O prazer do texto. Ed. Perspectiva, p. 67-68)

9 comentários:

  1. Gostei do post e da discussão que levanta...moça, belo blog! Agradeço para agradecer tua visita, por me seguir! Sou sua nova seguidora! bjs...

    ResponderExcluir
  2. Fragmento profundo pra caramba, eu precisaria pensar bem mais antes de fazer um comentário decente.

    De qualquer modo, gostei sobremaneira da oposição prazer X desejo. Realmente é bastante míope tentar equalizar ambos. O prazer me parece estar para o desejo como um organismo unicelular está para os seres humanos.

    ResponderExcluir
  3. Torresmo faz sucesso no nordeste e caçada também. Luxo, nem um pouco, mas pra uns hedonismo - Bixinho arretado!, pra outros - Eba hj tem o esperado torresmo e pinga!!!, e entre outros - Essa coisa gordurosa e esse Álcool combustível aki, credo!

    ResponderExcluir
  4. Olá Vanessa,
    "O prazer do texto" é quando o desejo vai além do gozo (lacaniano) e se sustenta na alteridade da palavra.
    Lindo blog, Também sou psicanalista e escritor
    abraços,
    Carlos Eduardo
    veredaspulsionais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu sou pelo hedonismo de resultados ...

    ResponderExcluir
  6. E daí, principalmente surge a frustração contínua. Desejo é algo a se alcançar. Prazer é encontro. Quem se desprendeu da sensação maravilhosa da chuva no rosto, se desprendeu por achar aquilo simples. Quem não se desprendeu, vê a beleza(nos momentos ruins e bons) de tudo isso.


    abraço.

    ResponderExcluir
  7. viva o hedonismo sim!.. sem prazer a vida fica chata..
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Esse é um grande livro, talvez o ápice do Barthes, que fez o texto depois de entrar em contato com o pensamento do Lacan.

    O que depreendo dessa bonita reflexão é que, ao contrário do prazer, que ilude completude, a dignidade do desejo reside em sua nulidade assumida, ou seja: o desejo deseja não desejar.. O suicida é corajoso; mergulha em suas autofagias.

    Só acho que o Sade tem uma ironia que ultrapassa a reivindicação. E o niilismo de Nietzsche só poderia chegar à inteligente conclusão inconclusa de que todo hedonismo é uma forma de pessimismo.

    Questão que não cala essa...

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now