domingo, 6 de março de 2011

uma palavra-ausência, uma palavra-buraco (Marguerite Duras)


“Gosto de acreditar, como gosto dela, que se Lol está silenciosa na vida é porque acreditou, no espaço de um relâmpago, que a palavra podia existir. Na falta de sua existência, ela se cala. Teria sido uma palavra-ausência, uma palavra-buraco, escavada em seu centro para um buraco, para esse buraco onde todas as outras palavras teriam sido enterradas. Não seria possível pronunciá-la, mas seria possível fazê-la ressoar. Imensa, sem fim, um gongo vazio, teria retido os que queriam partir, os teria convencido do impossível,  os teria ensurdecido a qualquer outro vocábulo que não ele mesmo, de uma só vez os teria nomeado, o futuro e o instante. Faltando, essa palavra estraga todas as outras, contaminando-as, é também o cão morto da praia em pleno meio-dia, esse buraco de carne. Como foram encontradas as outras?

(Marguerite Duras in: O deslumbramento. Ed. Nova Fronteira, p. 85)

5 comentários:

  1. O texto é lindo, mas involutariamente lembrei de LOL - \O/

    excesso de imaginação...

    ResponderExcluir
  2. "porque acreditou, no espaço de um relâmpago, que a palavra podia existir. Na falta de sua existência, ela se cala."

    belo demais!!!!

    Zil

    ResponderExcluir
  3. Palavras... como seria se elas não existissem?

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. "-Continuo sem entender os nomes.
    -A natureza dos nomes não pode ser descrita,apenas vivenciada.
    (...)As palavras são pálidas sombras de nomes."
    Patrick Rothfuss em "A Sombra do Vento".

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now