terça-feira, 29 de março de 2011

A agitação de possuir que revezava com a agitação de não possuir


Smultronstället (Bergman)
“Ainda assim, eu nunca me sentia tranquilo com ela… (…) A agitação de possuir Consuela – que revezava com a agitação de não possuir Consuela... (...) Por mais atormentado que eu estivesse com ela, fiquei cem vezes mais atormentado por tê-la perdido. Foi um período terrível, que não terminava nunca.”

(Philip Roth in: O animal agonizante. Ed. Companhia das Letras, p. 79)

6 comentários:

  1. Esse post serve direitinho para uma pessoa...se me permite...
    PS: amo seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Agonia própria de quem ama.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Existem ciclos de amor, maior ou menor.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  4. No fim não há paz?

    ResponderExcluir
  5. Que belas palavras, dizem muito em tão pouco! Ter ou não ter, estar ou não estar, ficar ou não ficar, ser ou não ser... rsrs
    Parabéns pelo blog
    Bjus no coração!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now