quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

procurando resistir ao esquecimento (Mishima)


“O esquecimento começou a mostrar sua verdadeira força quando não estavam alertas, esperando sua chegada. Começou a se infiltrar, na menor abertura que encontrasse, ele penetrava. Atacava o organismo como um germe invisível, invadindo lenta mas obstinadamente. Tomoko realizava movimentos inconscientes, como quem resiste a um sonho. Sentia-se muito perturbada, procurando resistir ao esquecimento.”

(Yukio Mishima in: Morte em pleno verão. Conto: Morte em pleno verão. Ed. Rocco,p. 31)

14 comentários:

  1. a história desse cara é incrível, escreveu com a morte ao lado e despediu-se num harakiri,


    beijo

    ResponderExcluir
  2. Resistir ao esquecimento... Nunca pensei nisso.

    ResponderExcluir
  3. Yukio Mishima é um gênio...tenho dois dos seus livros e em especial " Confissões de uma Máscara" marcou minha vida para sempre.
    E que história de vida, um amigo está trazendo uma biografia dele para mim dos Estados Unidos.

    Abraços

    http://sabordaletra.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Aquela sensação de lembrar de certo dia..e a fotografia vai ficando embaçada.. A gente força a mente pra lembrar os detalhes, pra não esquecer um mínimo segundo.
    Sei como é.
    Beijos tia.

    ResponderExcluir
  5. Entendo perfeitamente.

    ResponderExcluir
  6. ah, eu quero tanto esquecer. desesperadamente até...

    ResponderExcluir
  7. - Resistindo ao esquecimento. Melhor não!!!

    Amei tudo por aqui, tão lindo!!!

    Te seguindo!!!
    :D

    BeijoMeu.

    ResponderExcluir
  8. Em pleno verão? Sinto que morrerei no inverno...

    ResponderExcluir
  9. Esquecimento só é esquecimento quando sua chegada não é esperada.

    ResponderExcluir
  10. Olá Vanessa! Adorei teu Blog. Gosto de gente que escreve, que lê, que tem paixão por isso. Porque eu tb tenho. E ainda mais que tem paixão por cinema!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, entendo tão perfeitamente, que pelo amor! Hahaha :)

    ResponderExcluir
  12. sublinho as palavras do assis. e acrescento: no verão (onde nada morre - quando muito adormece).
    abraços!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now