sábado, 29 de janeiro de 2011

em luta constante entre a sensibilidade e a inteligência (João Cabral de Melo Neto)


“Essa sua dor de cabeça é meio estranha, não? É psicológica?
Depois de todas as operações que fiz, tenho a impressão de que é psicológica. A cada quatro horas tomo uma aspirina. Sou um sujeito muito tenso, à espera de uma notícia desagradável a todo momento. Sou um sujeito dividido, em tensão permanente, em luta constante entre a sensibilidade e a inteligência, entre todas as coisas.”

(Edla van Steen in: Viver & Escrever vol. 2. Depoimento de João Cabral de Melo Neto. Ed. L&M Pocket, p. 21)

9 comentários:

  1. segundo vinicius o joao cabral era um poeta completo!

    ResponderExcluir
  2. O budismo tem uma metáfora simples, porém bem interessante. Somos - ou deveríamos ser - como a corda de um instrumento: frouxa demais, não produz boa música; tensa demais, arrebenta.

    Mas eu pergunto: quem tem o segredo deste ponto ideal?

    ResponderExcluir
  3. Faz parte da escrita, como ele mesmo diz viver e escrever... Dores estranhas, bem iluminadas!
    Seria dor de cabeça mesmo? Ou a parte de mais um segredo? Tudo gira desculpas!

    ResponderExcluir
  4. "Sou um sujeito muito tenso, à espera de uma notícia desagradável a todo momento..."

    Disse tudo!

    Grande poeta!

    ResponderExcluir
  5. Sense and sensibility... e vamos para lá e para cá... Dá-lhe aspirina! rs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Quem não traz a sensibiliade poética na alma, no sangue, não consegue entender o campo de batalha que é o nosso íntimo. E assim, julgar se torna fácil.
    É um choque tão grande a junção das belezas que temos aqui dentro com as mazelas que o mundo apresenta.
    Enfim...
    Ah, eu já incorporei João Cabral... rsrssr... Contei o episódio lá no Divã (O Dia Em Que O Poeta Baixou Em Mim).
    Beijos,
    Cinthya

    ResponderExcluir
  7. Uma interessante descrição da esquizofrenia.

    ResponderExcluir
  8. gostei muito do casamento citação, autor e imagem.

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Teresinha Oliveira30 de janeiro de 2011 19:06

    Não acredito em dor psicológica. E de dor eu entendo! Dor quando dói, dói mesmo. E quando não está doendo, gera o pânico da espera. Quando vai doer? Já está na hora do comprimido?É, Seu Cabral, inteligência e sensibilidade só complicam as coisas...Despertam a fera!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now