sexta-feira, 29 de julho de 2011

a violência do seu desejo protestou contra o servilismo de sua conduta

"Ele obedeceu, mas a violência do seu desejo protestou contra o servilismo de sua conduta e, por uma espécie de hipocrisia ingênua, entendeu que aquela proibição de vê-la era para ele como que um direito de amá-la."

(Gustave Flaubert in: Madame Bovary)

3 comentários:

  1. As voltas que o coração dá para não se render.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. E tudo que é de certa forma proibido, já se sabe neh...

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now