quarta-feira, 20 de julho de 2011

Um pontinho no nariz

500 days of Summer
"Rusbrock [personagem de Dostoievski] está enterrado há cinco anos; é desenterrado; seu corpo está intacto e puro (pudera! Senão não haveria história); mas: ‘havia apenas um pontinho no nariz que tinha um leve traço de decomposição’.
Sobre a figura perfeita e como embalsamada do outro (que tanto me fascina), percebo de repente um pouco de decomposição. É um ponto mínimo: um gesto, uma palavra, um objeto, uma roupa, alguma coisa insólita que surge (que aponta) de uma região de que eu nunca havia suspeitado antes, e devolve bruscamente o objeto amado a um mundo medíocre.
Fico alarmado: ouço um contra-rimo: algo como um síncope na lida frase do ser amado, o ruído de um rasgo no invólucro liso da Imagem".

(Roland Barthes in: Fragmentos de um discurso amoroso)

5 comentários:

  1. sublime ler isso a esta hora da noite;
    coisas que só a mana faz por você.

    ResponderExcluir
  2. "O que seria de nossa vida se não fossem os amigos, fiéis parceiros, companheiros de jornada, pessoas que entram em nossa vida para somar, para completar o que nos falta, por isso, sempre digo, ao acordar de manhã agradeça pela amizade, pelos amigos que tem."

    FELIZ DIA DO AMIGO! BEIJOS.

    ResponderExcluir
  3. Essa nossa mania de ignorar os pontinhos.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now