sexta-feira, 27 de maio de 2011

“A morte não é difícil! Difícil é a vida e o seu ofício”, escreveu Maiakóvsky


"E qual seria a função do escritor?
Ser testemunha deste mundo. Testemunha e participante. “A morte não é difícil! Difícil é a vida e o seu ofício”, escreveu Maiakóvsky. O duro ofício de escrever – ponte que se estende tentando alcançar o próximo. Isso requer amor – o amor é a piedade que o escritor deve ter no coração.”

(Edla van Steen in: Viver & Escrever vol. 3. Depoimento de Lygia Fagundes Telles. Ed. L&M Pocket, p.160)

9 comentários:

  1. Dizem que os escritores tem que ter uma dupla sensibilidade: a deles e a dos outros...

    bjs

    ResponderExcluir
  2. O difícil exercício fictício de escrever, exprimir com palavras rios invisíveis que deságuam da alma, na alma, antimar ante as ondas do tempo: o templo de Deus, escritor de eras eternas...
    Maiakóvski, outro Deus da escrita...

    Abraço assoprado de Minas,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. escrevendo pontes :], http://amandabaracho.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Maiakóvski....quantas vezes me salvou...

    precisava falar com vc Vanessa....

    bj

    ResponderExcluir
  5. Há (ou deveria ter) ao menos um amor e uma morte em cada escrito...

    ResponderExcluir
  6. Oi, Vanessa!
    Difícil a tarefa do escritor proposta por Maiakóvsky, e o comentário ainda mais "caritas caritatis" da Lygia F. Telles;
    Um pintor romântico, como Eugène Delacroix, teve uma visão menos abrangente do escritor: "O mais belo triunfo do escritor é fazer pensar os que podem pensar."
    Será?!
    Boa noite!

    ResponderExcluir
  7. O duro ofício de escrever, tão encantador e saboroso...rs
    bjso

    ResponderExcluir
  8. O amor... sempre o amor!! Bjs

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now