quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Do que não está aqui



“E na verdade gosto das coisas que se foram, que não estão mais aqui. Gosto das ruínas, dos segredos do passado. Não gosto das coisas restauradas, como se tivessem sido construídas ontem, mas das marcas, dos vestígios”.

(A chave da casa, Tatiana Salem Levy, Ed. Record, p.118 )

9 comentários:

  1. Porque é nos vestígios - nos objetos perdidos - que reside nossa identidade.

    ResponderExcluir
  2. Só tenho que aplaudir, o post diz coisas que falam aqui dentro, num murmurinho, mas que provoca um barulhão danado.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  3. também eu. raios partam esta deformação afectiva!

    ResponderExcluir
  4. De pensar que nas coisas há tantas estórias que jamais alguém poderá ouvir...

    Elas deveriam falar!

    ResponderExcluir
  5. Interessante... eu também gosto e muito.

    ResponderExcluir
  6. também aprecio as ruínas e vestígios. são as marcas que ficaram. ;*

    ResponderExcluir
  7. Vestígios, ruínas... o que há de melhor!

    ResponderExcluir
  8. Gente, uma pessimista saudosista. Adorei.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now