domingo, 22 de agosto de 2010

a única maneira de abarcá-la e tentar organizá-la é através da desmedida do amor


"Imaginar, a partir dali, a vida sem Maria Inês equivaleria a vivê-la pelo avesso. A desviver. Foi naquele exato momento em que ela se sentava ao piano sob o signo de um diabinho (ou seria um sátiro) que tocava violão, naquele momento o amor chegou, e a partir de então tanto faria a Tomás o que ela pudesse dizer ou como pudesse agir. Porque às vezes o amor se alimenta de sua improbabilidade. Porque às vezes a vertigem do outro é grande demais, é ampla demais, e a única maneira de abarcá-la e tentar organizá-la é através da desmedida do amor - à maneira de um bêbado que toma um golinho logo pela manhã a fim de curar a ressaca da véspera".

(Sinfonia em Branco, Adriana Lisboa, p. 107. Ed. Rocco)

12 comentários:

  1. Que lindo! Teu blog é como um passeio no no jardim botânico! Adoro!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por visitar o meu cantinho!

    Também vim conhecer o seu e estou a deliciar-me com o que leio e vejo!

    Voltarei!
    Parabéns pelo seu blogue!

    Beijinho

    ResponderExcluir
  3. Porque a probabilidade de Julieta cortar os pulsos não é zero.

    ResponderExcluir
  4. ocorre-me com frequência inusitada por que razão ao falar-se de amor o prefixo "des" assuma preponderância? desmedida, destempero, desamor... arre!
    a propósito, tenciono atrever-me a efabular sobre amores e desamores. talvez no próximo post.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o texto, Vanessa.

    Deixo aqui algo de mim e um convite para o meu mundo: "Entre o sonho e a realidade eu prefiro a realidade que me permita sonhar". Espero que venha e goste http://jefhcardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Inebria-me esses teus resgates ;)

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Que lindo tudo por aqui! Sigo-a, para não perder o caminho e voltar tantas e tantas outras vezes!
    Uma boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Adoro seu blog e deixei um selinho pra vc la no meu portal Bjus!

    ResponderExcluir
  9. "Porque às vezes o amor se alimenta de sua improbabilidade"
    Fato, isso acontece demais comigo...

    ResponderExcluir
  10. amor, por vezes, pode dar ressaca. é uma embriaguês saudável, seja lá como for... indico.
    grato pela dica de livro. vou atrás...
    abs

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now