sábado, 28 de janeiro de 2012

o amor não é eterno porque as lembranças não permanecem sempre verdadeiras - Proust


"Sem dúvida, o amor não é eterno porque as lembranças não permanecem sempre verdadeiras, e porque a vida se faz à custa de perpétua renovação das células. Mas, essa renovação através das lembranças é, de qualquer modo, retardado pela atenção, que detém e fixa um momento destinado a mudar."

(Proust in: Em busca do tempo perdido vol. 5 - A Fugitiva. Tradução de Carlos Drummond de Andrade. Ed. Globo, p.139)

3 comentários:

  1. Quem fixa o momento destinado é o querer.

    ResponderExcluir
  2. Proust é de uma sabedoria silenciante, mas vale a pena dizer que me apego bastante ao tal retardo citado por ele.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now