quarta-feira, 1 de junho de 2011

No mais, tudo eram combinações. Matizes, preferências, impossibilidades.

"E quanto a mim. E quanto a mim, eu não sabia. Não tinha como saber. Não tinha como me apossar dos mistérios daquela mulher como me apossara de seus livros de Manuel Bandeira. E sabia que tínhamos em nós uma paleta, que ia do branco ao preto e novamente ao branco, passando por todas as nuances possíveis de cor. No mais, tudo eram combinações. Matizes, preferências, impossibilidades. E a água da chuva continuava correndo dentro das canaletas dos telhados, do alto para baixo, como sempre."

(Adriana Lisboa in: Um beijo de colombina. Ed. Rocco, p. 124-125)

3 comentários:

  1. ÓTIMO!
    Adorei as referências que a autora usou!

    ResponderExcluir
  2. Acho que vou escrever um poema ... a encalhada.

    ResponderExcluir
  3. quando a água correr da terra para o céu... tudo será diferente :)

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now