quarta-feira, 12 de maio de 2010

Diógenes: carne sangrenta



Nascido em Sínope em 444 antes de Cristo, e discípulo de Antístenes, o grego Diógenes Laércio foi o fundador da filosofia cínica. Segundo Michel Onfray, autor de O ventre dos filósofos, a exigência do cinismo é submeter o cotidiano a uma forma improvisada, porém sóbria e pura, livre das escórias e da afetação que são parentes da civilização.

carnecrua.jpgO desejo cínico é sabotar a confiança nos ideais que são também os princípios da ilusão: o sagrado, a convenção, o hábito, a passividade. O cínico prega o prazer simples. Chamado de filósofo do barril, Diógenes fará um uso pedagógico dos alimentos. Seu projeto é a volta a uma selvageria primária, sendo a alimentação marcada por este desejo.

“Ao cozido consensual da instituição nutritiva, Diógenes opõe o niilismo alimentar no mais alto grau, marcado principalmente pela recusa do fogo, de Prometeu, como símbolo da civilização. O primeiro princípio da dietética cínica é o cru”. (ONFRAY, p. 31)

Enquanto os outros consomem carne cozida, Diógenes quer carne sangrenta. Além disso, ele inclui também o vegetarianismo prático. O filósofo, segundo colegas da época, é retratado como um pacato colhedor de figos, raízes e frutas, e bebe água fresca das nascentes. Diógenes dizia querer escolher o alimento que poderia encontrar com mais facilidade.

De acordo com Onfrey, nenhuma existência chega à beleza sem uma morte à altura. Uma das versões da morte de Diógenes – há mais de uma – diz respeito a um polvo cru. O filósofo ousou comer um polvo cru para rejeitar a preparação das carnes cozidas. Sendo observado por muitos homens, Diógenes envolveu-se na capa do polvo e disse, dramaticamente: “É por vocês que arrisco minha vida, que corro este perigo”. E assim, morreu.

A alimentação para Diógenes teve a função de reivindicar o natural: ela expressa a recusa de um mundo, ao mesmo tempo que mostra o desejo de um outro, o da simplicidade. O polvo e o filósofo ilustraram como não pode haver dietética inocente.

Fonte: O ventre dos filósofos – crítica da razão dietética, Michel Onfray, Ed, Rocco, 1990.
Texto: Vanessa Souza
Publicado originalmente em: http://www.informativomalagueta.com.br/edicao.asp

9 comentários:

  1. "nenhuma existência chega à beleza sem uma morte à altura."
    por que razão a paroxização do ser acaba por se confundir com a sua destruição... invariavelmente?...
    um beijinho!

    ResponderExcluir
  2. ler isto na semana em que decidi me tornar vegetariana é um alento!

    ResponderExcluir
  3. caral***
    não o conhecia ainda.
    muito bom, muito bom.

    ResponderExcluir
  4. mais uma estória para minha lista de conhecimentos.
    muito bom. Eu não conhecia

    ResponderExcluir
  5. Minha querida amiga, que saudade enorme!

    Eu li a entrevista com o Felipe Pena no Amálgama! Muito legal. Quero ler em breve.

    Como estão as coisas? Por via das dúvidas, me mande um e-mail para atualização ahahha

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Seu blog de certo modo me da prejuízo...sempre quero comprar algum livro...rsrsr

    ResponderExcluir
  7. Preciso pensar e digerir...o polvo.

    ResponderExcluir
  8. tentáculos pulsando a morte! coitado do polvo rs

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now