domingo, 14 de fevereiro de 2010

Mas as barragens caíam


"Morri tantas vezes antes de morrer - morri sempre que o amor parava, e o amor estava sempre a parar dentro de mim. Parava e crescia, comia tudo o que eu sabia. Eu imaginava frases novas como barragens contra essas vagas que me levavam. Mas as barragens caíam, eu voltava morta à praia, renascia a tremer de frio, na noite marítima. Então construía de novo a minha barragem, agarrava-me aos meus mortos passados, presentes e futuros, envelhecia e renascia, engelhada e sôfrega. Falava. Falava incansavelmente do que sabia e do que desconhecia, esperava que me mandassem calar para ouvir apenas o vento das palavras definitivas dançando como um louco descabelado nesse opaco interior do meu corpo".

(Fazes-me falta, Inês Pedrosa, p. 53)

4 comentários:

  1. [breve confissão: a minha página também está sublinhada... quase sangrou!]

    um imenso abraço, Vanessa

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  2. Belo post!

    Lembrei-me que eu já usei as palavras assim, rss

    Este livro se espremeres saem lágrimas.

    Beijos!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now