quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Quem será que inventou isso?


"Ontem fiquei pensando nisso, no amor, nessa insistência no amor, como se o amor pudesse nos salvar de tudo, ou ao menos de alguma coisa, como se o amor pudesse nos salvar do ódio, da loucura e até do desejo. Quem será que inventou isso? Se nem mesmo do amor o amor nos salvaria".

(Flores Azuis, Carola Saavedra, p. 43, Ed. Companhia das Letras)

10 comentários:

  1. .

    Continuo a achar que o amor salva tudo e só ele nos move ao melhor que somos.


    Te mando um email.

    Beijo grande

    .
    .

    ResponderExcluir
  2. A sua ultima frase, nao sei dizer apresentar uma forma de pensamento negativo e degenerativo de um individuo para a sociedade...No mesmo ponto vejo o que confia no amor para solucao para todos os males da sociedade...

    ResponderExcluir
  3. È uma coisa louca mesmo ne!
    Porque na verdade temos mesmo essa sensaçãode que ele nos salva e acredito que em algumas situaçoes ele realmente faz isso, mas em outras...rsrs

    ResponderExcluir
  4. Eu adorei. A idéia da autora e de todos que se atrevem a escrever, acredito eu que não precise, de porquês, coerência, e menos ainda explicação. Ainda mais quando o tema é amor, que nem Froid explica, rs. Um beijo querida. Boa Noite pra ti.

    ResponderExcluir
  5. O narcótico desprovido do antídoto. Lembro-me que uma vez você me disse acerca de quanto mais pensávamos acerca (parafraseando necessariamente *-*), esmiuçávamos racionalmente algo, isto atenuava o sentimento, diminuia a intensidade. O amor, o ódio... dualidade equivocada para não-questionamentos extremados.
    ;*

    ResponderExcluir
  6. O amor não nos salva nem mesmo do amor... Muito bom!!

    ResponderExcluir
  7. quem o inventou deixou muito por explicar

    ResponderExcluir
  8. O amor nos salva,sim, e também nos afunda. Mas só assim se pode viver. Ninguém vive sem amor, ninguém sobrevive sem amor! Mas para o amor, não há antidoto.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now