sábado, 25 de setembro de 2010

E livros, livros que desfolhavas com uma sofreguidão de leoa


"Mas tu foste sempre uma multidão. Perdoava-se-te a arrogância muralhada, porque dentro destas tuas muralhas havia uma multidão. Ruídos de copos, pianos, palavras perdidas, fumo de cigarros. E livros, livros que desfolhavas com uma sofreguidão de leoa. Dizia-te: "Lês tanto que acabas por não aprender nada". Era esse tipo de frase o que mais te magoava. Ficavas calada, com medo que fosse verdade".

(Fazes-me falta, Inês Pedrosa, p. 176)

3 comentários:

  1. Centenas de si, dentro, fervilhando.

    ResponderExcluir
  2. ah, como eu gosto dessa portuga!

    te convido para vir ao um-sentir e ver o que de lá vc já leu :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  3. Gostei do seu blog. Estou seguindo, tenha uma linda semana.
    bjs

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now