segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Uma incompletude


"Eu mesmo, eu era uma pessoa menor. Encontrei alguma coisa em mim naquele instante, e na verdade era uma falta. Uma incompletude, um defeito que me fosse dividindo e subtraindo conforme passavam as horas".

(Um beijo de colombina, Adriana Lisboa, p. 85)

7 comentários:

  1. essa necessidade de ser...




    hoje não vale comentar no Reino, rsrs...
    enfim, me ousei :)

    ResponderExcluir
  2. :# <---- quer dizer, sinal de mudo? hahahahaha.

    ResponderExcluir
  3. Assim falou Antônio Quinet: "Todo sintoma tem sentido, não adianta só tomar remédios. O paciente tem de encarar o sintoma com uma charada, um enigma de si mesmo".

    ResponderExcluir
  4. A falta divide e subtrai... e como dói.

    ResponderExcluir
  5. Ah, a falta! Sempre a falta! O que seriámos de nós sem ela? O que nos moveria, se fossemos completos?

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now