sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Supra sumo da angústia


"Não há nada que me angustie tanto quanto me despedir de alguém: tchau, adeus, au revoir, até breve, até nunca mais".

(A chave da casa, Tatiana Salem Levy, Ed. Record, P. 22)

13 comentários:

  1. Verdade. Despedidas doem. Muito. E continua doendo. Mesmo que o tempo passe.

    ResponderExcluir
  2. O bom mesmo é saber que vai voltar.

    ResponderExcluir
  3. Despedidas implicam em perdas mas também em ganhos.

    ResponderExcluir
  4. Oi linda, estou de volta aos blogs... bem, aos poucos, claro, pois ainda estou meio atolado na facul pelo final do semestre... nossa, saudades daqui... abração e até mais...

    Ah... passa lá no meu, tem coisa nova... ahah... abração...

    ResponderExcluir
  5. Separar é preciso para reencontrar. Nem sempre é tão ruim quanto parece.

    ResponderExcluir
  6. faço-o hoje mesmo. estou a caminho de atenas. mas tenho regresso marcado :)

    ResponderExcluir
  7. Esse trecho me lembra Noites Brancas, de Dostoiévski.

    ResponderExcluir
  8. Estejamos preparados para as perdas e valorizemos os ganhos...

    ResponderExcluir
  9. Algumas despedidas nos transformam em pessoas melhores....

    Adorei o blog !!! Um beijo !!!

    ResponderExcluir
  10. Detesto me despedir... nunca se sabe quando a despedida será para sempre!!!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now