sábado, 31 de março de 2012

da imaginação - Proust

Carrie 
"Muitas vezes, no decurso da existência, a realidade me decepcionara porque, ao vislumbrá-la, minha imaginação, meu único órgão para sentir a beleza, não se podia aplicar, devido à lei inevitável em virtude da qual só é possível imaginar-se o ausente".

(Proust in: O tempo redescoberto. Tradução de Lúcia Miguel Pereira. Ed. Globo, p. 153)

4 comentários:

  1. triste a falta de brilho da imaginação que concentra-se apenas no que é cinza.

    ResponderExcluir
  2. Ah, meu Mestre do impressionismo, discordo! O ausente está além de tudo, mesmo da realidade. O grande desafio da imaginação, a verdadeira imaginação, é tangenciar a beleza de qualquer coisa, independente de sua realidade.

    Quem diria que um dia eu iria me opor a Proust!

    ResponderExcluir
  3. E, Vanessa, Proust com Carie? Na cena final? Are you nuts, baby? rs

    ResponderExcluir
  4. E o ausente é um ponto de vista apenas.

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now