sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

da pele, das palavras


A conversa

"1-A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras. Minha linguagem treme de desejo. A emoção de um duplo contacto: de um lado, toda uma atividade do discurso vem, discretamente, indiretamente, coloca em evidencia um significado único que é “eu te desejo”, e liberá-lo, alimentá-lo, ramificá-lo, fazê-lo explodir (a linguagem goza de se tocar a si mesma); por outro lado, envolvo o outro nas minhas palavras, eu o acaricio, o roço, prolongo esse roçar, me esforço em fazer durar o comentário ao qual submeto a relação.

(...)

2-A pulsão do comentário se desloca, toma o caminho da substituições. De início é para o outro que eu discorro sobre a relação; mas pode ser também diante do confidente: de você passo a ele. E depois, de ele passo a nós; elaboro um discurso abstrato sobre o amor, uma filosofia da coisa, que seria apenas, em suma, um blá-blá-blá generalizado. Refazendo a partir daí o caminho inverso poder-se-ia dizer que todo dito que tem por objeto o amor (seja o que for que se queira destaca) comporta fatalmente uma alocução secreta (me dirijo a alguém, que vocês não sabem, mas que está lá na extremidade das minhas máximas). No Banquete, essa alocução talvez exista: seria Ágaton que Alcibíades interpelaria e desejaria sob a escuta de um analista, Sócrates.

(...) Há sempre no discurso sobre o amor uma pessoa a quem se dirige, mesmo que essa pessoa tivesse passado ao estado de fantasma ou de criatura a vir. Ninguém tem vontade de falar de amor, se não for para alguém.)”

(BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. P. 64-65. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1977.)

http://www.facebook.com/vencaluisa
http://www.vemcaluisa.blogspot.com.br/

2 comentários:

  1. que belo, minha querida.
    adorei o recorte =) preciso tanto retomar a leitura deste livro...

    beijos!

    ResponderExcluir

So if you have something to say, say it to me now